A faturação eletrónica como estratégia disruptiva no setor da saúde

Subscrever
Partilhar

A Saphety realiza, em parceria com a IDC, um ciclo de webinars dedicados à faturação eletrónica em diferentes indústrias e conta com a presença de diferentes operadores de referência nos vários setores de atividade, como o healthcare.

 

Esta iniciativa visa estimular a troca de experiências no processo de transformação digital nas diferentes organizações e o impacto da faturação eletrónica, desde o início, até agora.

 

Na primeira edição, dedicada ao setor da saúde e healthcare, foram entrevistados operadores de referência do setor, numa área que assistiu, nos últimos 5 anos, a diversas implementações, faturação eletrónica em mais de 100 hospitais e 30 centros hospitalares, envolvendo mais de 50 fornecedores, que transformou, em pouco tempo, a forma como as entidades do setor se relacionam entre si.

 

Geralmente, a digitalização neste setor implica, para além da faturação, a desmaterialização das encomendas, guias de remessa e sincronização de códigos de produto e controlo da receção de bens por parte das entidades compradoras.

 

Tudo faz parte da estratégia global do Estado para a redução de custos das entidades públicas e o controlo da despesa pública.

 

Foram entrevistados nomes de referência na área da saúde e healthcare. Nuno Loureiro representou o Centro Hospitalar e Universitário Lisboa-Norte, que integra os hospitais de Santa Maria e Pulido Valente.

 

Para além da prestação direta de cuidados de saúde e de formação, o Centro Hospitalar Lisboa-Norte tem também a missão de inovação, desenvolvimento científico e investigação, com o entrevistado a integrar, também, o grupo de trabalho do ministério da saúde, que implementou a metodologia para a elaboração de relatórios de sustentabilidade.

 

Sendo um setor bastante complexo, Nuno Loureiro foi questionado sobre qual o volume de faturas recebidas pelo Centro Hospitalar, tendo referido ser uma média de 2200 faturas mensais, o que faz com que estas metodologias de redução de papel sejam bastante significativas.

 

No que toca ao balanço sobre o projeto da faturação eletrónica, Nuno Loureiro considerou-o muito positivo tendo referido que, apesar de terem iniciado a ideia em 2013, apenas em 2017 conseguiram, em conjunto com a Saphety, implementá-la, graças também a um projeto financiado pela União Europeia.

 

Sobre quais os objetivos para a implementação da faturação eletrónica, o entrevistado acrescentou que o foco se centrava nas poupanças e desmaterialização dos processos, libertando recursos para áreas de valor acrescentado.

 

Nuno Loureiro afirmou que pretende que recursos dedicados à receção de medicamentos, por exemplo, passem para áreas de valor acrescentado, traduzindo-se assim numa poupança e numa gestão de recursos mais eficiente.

 

No entanto, existem obstáculos, os quais estão relacionados com o facto de se considerar apenas o custo e não o investimento, a resistência à mudança e conseguir que os parceiros entendam que é vantajoso aderir a este género de iniciativas.

 

A Saphety é um parceiro importante pela segurança, proximidade e know-how, que oferece tranquilidade à instituição.

 

Apesar de vivermos num contexto especial de pandemia, na prática, esta não alterou de forma significativa a faturação eletrónica, no entanto, veio reforçar a importância de a colocar em prática.

 

Sobre a nova legislação, o entrevistado afirmou que ainda estão numa fase de observação para tentar perceber como podem cumprir a lei na prática. No entanto, tratando-se de um hospital público, a faturação é maioritariamente de fornecedores divididos em dois grupos: fornecedores habituais de dispositivos e fármacos e prestadores de serviços.

 

Quanto ao primeiro grupo, encontram-se numa fase de alinhamento de catálogos entre fornecedores e Centro Hospitalar. Já no segundo, estão numa fase de sensibilização para adotarem uma plataforma onde possam colocar a fatura e que, posteriormente, esta possa ser integrada com o sistema do Centro Hospitalar.

 

Nuno Loureiro afirmou que este é um processo muito complexo e que ter a Saphety como parceiro tem sido fundamental. Acrescentou, também, que o futuro passará por continuar a olhar para os processos internos e de que forma podem ser otimizados. O entrevistado deu o exemplo prático de que se conseguirem eliminar só o papel da logística, conseguem comprar anualmente mais 23 pacemakers.

 

Em conclusão, este é um processo difícil, onde é necessário ser-se resiliente, mas é um processo importante, nomeadamente por se tratar de dinheiros públicos.

Outros posts

Subscrever

Flexcash – o futuro do funcionamento das empresas?

Na continuação do seu ciclo de webinares, a Saphety diversifica os temas em debate e trouxe-nos, desta vez, o Diretor de Marketing de Empresas da Caixa Geral de Depósitos, Paulo Nina, para falar do financiamento de faturas. A Caixa Geral de Depósitos, em parceria com a Saphety, desenvolveu uma plataforma inovadora, totalmente digital, através da […]

Otimização de processos de gestão de tesouraria com o confirming digital

Patrícia Valente começou por explicar que a adesão da BA Glass ao confirming ocorreu num contexto de forte aposta, por parte da empresa, nos processos digitais para automatizar o mais possível as tarefas, de forma a simplificar o dia a dia e a tornar o trabalho mais eficiente.

As vantagens do confirming digital através da plataforma Flexcash

Para as empresas do grupo Trivalor, esta plataforma é igualmente fácil de gerir, no ponto de vista do software, não havendo necessidade de formação muito demorada para que os técnicos entendam o seu modo de funcionamento.

Mais posts
Loading