Faturação Eletrónica

Outras Soluções

A transformação digital em Portugal no setor das utilities, segundo a Galp

Subscrever
Partilhar

Recentemente, foi realizada mais uma edição do Saphety Talks, um ciclo de webinars dedicados à faturação eletrónica, realizado em parceria com a IDC, uma iniciativa que conta com a presença de operadores de referência em vários setores de atividade e através da qual a Saphety procura promover a partilha de experiências e discutir os principais desafios colocados pela transformação digital nas empresas e o papel desempenhado pela faturação eletrónica.

 

Esta edição foi dedicada ao setor da utilities, um setor que desde muito cedo tem procurado desmaterializar os seus processos de faturação, tendo em conta o elevado número de clientes com que se relacionam, e também a complexidade de dados inerentes ao consumo deste tipo de serviços.

 

Este evento permitiu entender quais os principais desafios da faturação eletrónica perante os principais clientes e parceiros, que fazem parte deste ecossistema tão dinâmico e competitivo, como é o setor das utilities. Um dos convidados foi Ricardo Almeida, Area Manager Accounting & Reporting da Galp, o qual referiu quais as soluções que a Galp tem implementadas neste momento e quais as suas vantagens. Informou que desde há alguns anos a Galp tem procurado desmaterializar o papel, migrar para um formato eletrónico, de fornecedores e para clientes. Trata-se de múltiplos canais e de múltiplos segmentos de negócio, com complexidades distintas, realidades que trazem desafios para captar e angariar clientes, para que possam prosseguir com esta transformação digital.

 

O convidado considera que se trata de um processo complexo, mas vantajoso. Já existem muitas provas dadas de que vale a pena prosseguir com estas soluções, que são benéficas para todas as organizações. Existem muitas vantagens da transição para a faturação eletrónica. Na lógica inbound, que corresponde ao recebimento de faturas de terceiros, consegue-se desmaterializar todo o processo e criar oportunidades para que as pessoas que estão afetas a estas funções, possam desempenhar outras atividades na organização. Na lógica outbound, de emissão de faturas aos clientes, a faturação eletrónica também é muito vantajosa: não há necessidade de expedir a fatura pelo correio. Reduzem-se os custos e também muitos recursos humanos poderão ser alocados a outras funções.

 

O convidado explica que, desde que a Galp iniciou este projeto de transformação digital, verificou um declínio significativo de trabalho a tempo inteiro em atividades com a digitalização, a triagem, o correio, o arquivo físico, o que permitiu criar janelas de oportunidade para os trabalhadores se desenvolverem noutras áreas, que criam maior valor acrescentado. O foco da empresa são as pessoas, o reforço das suas competências, comportamentais, mas também técnicas, o que é facilitado pelas tecnologias de informação e comunicação. Estas soluções permitem melhorar as competências dos seus colaboradores, o que constitui um dos objetivos da Galp. A Saphety tem sido o parceiro que tem permitido à Galp alcançar muito bons resultados com a faturação eletrónica.

 

Na Galp assiste-se a uma transformação digital, abrangendo a faturação digital que desempenha agora um papel muito importante. Com a desmaterialização do papel, a Galp está agora capacitada para tratar dados de forma eletrónica, permitindo uma integração direta nos sistemas informáticos da empresa. Através de um conjunto de algoritmos, a empresa consegue alcançar níveis de eficiência elevados.

 

Este processo de faturação eletrónica, seja inbound ou outbound, permite à Galp promover, bem vincada, uma pegada tecnológica, mas também uma pegada verde, porque existe toda a componente de proteção ambiental. A empresa tem esse objetivo bem demarcado nas atividades que se propõe realizar diariamente. Há um binómio que permite que o resultado desta grande iniciativa vá muito mais além do que possam ser os ganhos de eficiência que resultam da desmaterialização do papel.

 

O convidado incentiva as pequenas e médias empresas a dar também um passo em frente no sentido da desmaterialização, acreditando que ainda existe resistência em algumas das empresas, que pode estar mais relacionado com o desconhecimento.

Outros posts

Subscrever

Faturação no Chile – operações de câmbio

Faturação no Chile – operações de câmbio   A Faturação no Chile foi alterada a 1 de dezembro de 2022,  aquando da entrada em vigor da resolução 66 dos Serviços Internos de Receita do Chile.   Este novo regulamento diz respeito às organizações com operações em moeda estrangeira. Bancos, corretoras de valores, casas de câmbio […]

Sérvia: Alterações às Leis de Faturação Eletrónica, Fiscalização e IVA

Sérvia: Alterações às Leis de Faturação Eletrónica, Fiscalização e IVA   A Sérvia está na reta final para implementar a fatura eletrónica obrigatória, que entrou em vigor a 1 de janeiro de 2023. Algumas alterações ainda estão a ser pensadas de modo a permitir a introdução total da faturação eletrónica obrigatória para B2B. Em 12 […]

Polónia: Faturação Eletrónica através do KSeF

Polónia: Faturação Eletrónica através do KSeF   Polónia publica projeto lei sobre faturação eletrónica obrigatória através do KSeF   A 1 de dezembro de 2022, o Ministério das Finanças da Polónia publicou o projeto lei que altera a Lei do IVA relativamente à introdução da fatura eletrónica obrigatória no Sistema Nacional de Faturação Eletrónica (KSeF). […]

Mais posts
Loading

    Links Rápidos