Fatura eletrónica otimiza recursos do Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte

Subscrever
Partilhar

Quando falamos de saúde e, nomeadamente, de hospitais, qualquer atraso no atendimento dos pacientes pode ser (em casos extremos) fatal. É certo que a fatura eletrónica não tem influência direta na forma como os doentes são atendidos, mas garante que médicos e enfermeiros têm ao seu dispor os recursos necessários. Como? Com o agilizar de todo o workflow operacional, desde a encomenda, logística e pagamento das faturas dos bens consumidos.

A motivação base foi a de otimizar a logística. Conseguir ter os materiais necessários à prática da atividade, no tempo adequado. Foi com base nesta necessidade que o Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte (CHULN) iniciou o seu projeto de adoção da fatura eletrónica. Uma solução que permite não só libertar recursos (humanos e financeiros) como otimizar todo o processo de compras, logístico e de pagamentos. Mais do que apenas aumentar a eficácia e eficiência a adoção da fatura eletrónica permitiu reduzir custos sem que isso colocasse em causa a atividade clínica. E este é o ponto essencial.

Mas se hoje já se vê resultados desta implementação o caminho para chegar até aqui foi cheio de desafios, foi necessário ultrapassar a escassez de recursos humanos, conquistar a adesão dos serviços de apoio e obter o suporte financeiro necessário. Além destes desafios, considero que o maior foi a mudança de mentalidades. Por um lado, conseguir sensibilizar as pessoas sobre o que é o EDI e o seu impacto (explicar que é muito mais do que apenas a digitalização de documentos).

Afinal, se o processo funcionava bem até à altura porquê fazer alterações? Segundo Nuno Loureiro, diretor do serviço de logística e stocks do Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte, um dos maiores obstáculos foi mudar a perceção que alguns Serviços fundamentais tinham do projeto. Fruto do brainstorming interno, assim como, do envolvimento de alguns stakeholders, conseguiu-se um maior envolvimento, por exemplo, do Serviço de Gestão de Compras, essencial para o sucesso do projeto, dado que, é no referido Serviço, que tudo se inicia com a emissão da Nota de Encomenda. Apesar de nesta fase o maior impacto da adoção da fatura eletrónica se repercutir no Serviço de Gestão Financeira.

Quando falamos de compras numa instituição como o CHULN temos de pensar em dois tipos de fornecedores: 1. os dispositivos médicos (e produtos associados) e 2. a indústria farmacêutica. E verificou-se que se a indústria farmacêutica, principalmente as multinacionais, se encontra um passo à frente na adoção de boas práticas de EDI e faturação eletrónica; relativamente aos fabricantes dos dispositivos médicos foi necessário realizar um esforço extra no sentido de comunicar os benefícios e conseguir o compromisso de avançar com a integração por EDI.

Havia ainda um desafio extra que se prendia com o próprio funcionamento do mercado. A inexistência até há pouco tempo de standards da indústria foi colmatado com a transposição da Diretiva 2014/55/EU para o Decreto-Lei n.º 111-B/2017 e que agora sofreu algumas alterações com a publicação do Decreto-Lei n.º 123/2018.

É um facto que o projeto de adoção da fatura eletrónica ainda está numa fase inicial, mas os resultados obtidos já são muito animadores. De tal forma que o CHULN pretende, até ao final do próximo ano, ter um volume de faturas eletrónicas recebidas superior a 58%. Ao nível dos procedimentos, o que começou com uma necessidade especifica (virada maioritariamente para a logística) ganhou importância, com a Administração do CHULN a definir como objetivo ter uma solução única transversal a todo o hospital, ou seja, implementar a fatura eletrónica em todos os departamentos.

Há ainda um outro efeito colateral positivo, o projeto levado a cabo pelo CHULN está a despertar a atenção de outras unidades hospitalares, e verifica-se o aumento da comunicação entre instituições do setor. A partilha de informação é fundamental para a uniformização e modernização administrativa. Algo que, com o EDI e a fatura eletrónica, torna possível verificar uma mudança para melhor.

 

Wilques Erlacher

Especialista em EDI e faturação eletrónica e business development manager na Saphety

 

Artigo original publicado na Ntech.news, a 25/02/2019.

Outros posts

Subscrever

Faturas com QR Code obrigatório a partir de 2022

A partir de 1 de janeiro de 2022 o QR Code deve constar em todas as faturas e documentos fiscais relevantes, de acordo com o Decreto-Lei n.º 28/2019, de 15/02 e a Portaria n.º 195/2020, de 13/08.   O código QR – ou Quick Response Code – consiste num código de barras bidimensional que deve […]

O papel das parcerias na massificação da faturação eletrónica

Com a obrigatoriedade de emissão de faturas eletrónicas para a Administração Pública, as empresas depararam-se com a necessidade de ter os seus ERP adaptados para o fazerem.   Faturação eletrónica: obrigatoriedade ou necessidade?   Esta necessidade tornou-se urgente na rápida resposta do seu prestador de serviços de TI, em particular na preparação do software de […]

Flexcash – o futuro do funcionamento das empresas?

Na continuação do seu ciclo de webinares, a Saphety diversifica os temas em debate e trouxe-nos, desta vez, o Diretor de Marketing de Empresas da Caixa Geral de Depósitos, Paulo Nina, para falar do financiamento de faturas. A Caixa Geral de Depósitos, em parceria com a Saphety, desenvolveu uma plataforma inovadora, totalmente digital, através da […]

Mais posts
Loading