O processo de faturação eletrónica no setor da banca e seguros

Subscrever
Partilhar

Numa das edições do ciclo de webinars dedicados à faturação eletrónica, as Saphety Talks, organizado pela Saphety, em parceria com a IDC, contou-se com a presença de personalidades de referência do setor da banca e seguros, que partilharam experiências no âmbito da transformação digital das empresas e o papel desempenhado pela faturação eletrónica.

 

Nesta edição, estiveram representados a IDC, a Caixa Geral de Depósitos e a companhia de seguros Tranquilidade do grupo Generali. Este setor adota a faturação eletrónica para agilizar processos de pagamento/recebimento como parte da aposta na transformação digital.

 

Em representação da companhia de seguros Tranquilidade do grupo Generali, foi entrevistado João Ribeiro, responsável da Unidade de Contratação Pública.

 

À primeira questão sobre como decorre o processo de adoção da faturação eletrónica, João Ribeiro afirmou que a faturação eletrónica era um passo decisivo para a Tranquilidade. O primeiro contacto da empresa com a Saphety foi em novembro de 2018 e, até ao momento, a Tranquilidade teve um grande avanço no processo da faturação eletrónica, focando-se essencialmente no desenvolvimento e agilização dos processos informáticos.

 

Acrescentou que a Saphety era um parceiro fundamental para a Tranquilidade na mudança para a faturação eletrónica, que prevê que, até ao final do ano de 2021, deixarão de emitir meio milhão de documentos em papel.

 

Referiu, igualmente, que tinham sido duas situações-chave que tinham promovido a implementação do sistema de faturação eletrónica, nomeadamente na componente das contas a receber. A primeira, a proximidade de mudança da lei que passava a faturação eletrónica para a contratação pública obrigatória, e a segunda, o desafio de um grande grupo económico privado que tinha proposto a faturação eletrónica e os tinha motivado para desenvolver essa solução.

 

O entrevistado frisou que a faturação eletrónica nas seguradoras era bastante diferente das restantes atividades económicas, visto que possui uma regulamentação própria, com um enquadramento jurídico, envolvendo uma série de timings e documentos diversos, como por exemplo, os ‘avisos’, que as restantes atividades não possuem. Além dos ‘avisos’ obrigatórios, a empresa decidiu introduzir um conjunto maior de documentos que passaram também a ser processados digitalmente.

 

Questionado sobre a forma como a faturação eletrónica tinha vindo colmatar necessidades na Tranquilidade, João Ribeiro afirmou que a rapidez do processo é o fator de primeiro destaque, ainda que sem grandes alterações relativamente ao tempo médio das cobranças pela especificidade desta atividade. A redução de custos e a pegada ecológica foram também pontos fundamentais na adoção da faturação eletrónica.

 

Mais adiante na conversa, referiu ainda que a faturação eletrónica tinha acabado com o problema do extravio das faturas, algo que acontecia, com alguma regularidade, no passado, com as faturas em papel.

 

Acerca dos principais desafios que a empresa tem encontrado no caminho da implementação eletrónica, o entrevistado referiu que os desafios foram, inicialmente, para a Saphety. Esta desenvolveu, pela primeira vez, um sistema adequado à atividade das seguradoras, num longo processo que durou de 2018 até ao último trimestre de 2020, quando a faturação eletrónica foi implementada em pleno na empresa.

 

Relativamente ao futuro e próximos desafios, João Ribeiro afirmou que, até ao momento, se encontravam numa fase reativa, onde a preocupação tinha sido cumprir a parte legal, algo assegurado a 100%, mas que o próximo desafio seria estimular os clientes privados a adotarem a faturação eletrónica, visto que a esmagadora maioria na vertente de contas a receber ainda não o fez.

 

A Tranquilidade possui atualmente 50% de ‘clientes verdes’, significando que metade dos clientes privados já são totalmente digitais.

 

Conclui-se que a faturação eletrónica é uma realidade da Tranquilidade, a primeira seguradora a implementar este sistema, e que o próximo passo da estratégia digital da empresa será assegurar que um número crescente de clientes adote a faturação eletrónica.

Outros posts

Subscrever

Flexcash – o futuro do funcionamento das empresas?

Na continuação do seu ciclo de webinares, a Saphety diversifica os temas em debate e trouxe-nos, desta vez, o Diretor de Marketing de Empresas da Caixa Geral de Depósitos, Paulo Nina, para falar do financiamento de faturas. A Caixa Geral de Depósitos, em parceria com a Saphety, desenvolveu uma plataforma inovadora, totalmente digital, através da […]

Otimização de processos de gestão de tesouraria com o confirming digital

Patrícia Valente começou por explicar que a adesão da BA Glass ao confirming ocorreu num contexto de forte aposta, por parte da empresa, nos processos digitais para automatizar o mais possível as tarefas, de forma a simplificar o dia a dia e a tornar o trabalho mais eficiente.

As vantagens do confirming digital através da plataforma Flexcash

Para as empresas do grupo Trivalor, esta plataforma é igualmente fácil de gerir, no ponto de vista do software, não havendo necessidade de formação muito demorada para que os técnicos entendam o seu modo de funcionamento.

Mais posts
Loading