Faturação Eletrónica

Outras Soluções

O processo de faturação eletrónica no setor da banca e seguros

Subscrever
Partilhar

Numa das edições do ciclo de webinars dedicados à faturação eletrónica, as Saphety Talks, organizado pela Saphety, em parceria com a IDC, contou-se com a presença de personalidades de referência do setor da banca e seguros, que partilharam experiências no âmbito da transformação digital das empresas e o papel desempenhado pela faturação eletrónica.

 

Nesta edição, estiveram representados a IDC, a Caixa Geral de Depósitos e a companhia de seguros Tranquilidade do grupo Generali. Este setor adota a faturação eletrónica para agilizar processos de pagamento/recebimento como parte da aposta na transformação digital.

 

Em representação da companhia de seguros Tranquilidade do grupo Generali, foi entrevistado João Ribeiro, responsável da Unidade de Contratação Pública.

 

À primeira questão sobre como decorre o processo de adoção da faturação eletrónica, João Ribeiro afirmou que a faturação eletrónica era um passo decisivo para a Tranquilidade. O primeiro contacto da empresa com a Saphety foi em novembro de 2018 e, até ao momento, a Tranquilidade teve um grande avanço no processo da faturação eletrónica, focando-se essencialmente no desenvolvimento e agilização dos processos informáticos.

 

Acrescentou que a Saphety era um parceiro fundamental para a Tranquilidade na mudança para a faturação eletrónica, que prevê que, até ao final do ano de 2021, deixarão de emitir meio milhão de documentos em papel.

 

Referiu, igualmente, que tinham sido duas situações-chave que tinham promovido a implementação do sistema de faturação eletrónica, nomeadamente na componente das contas a receber. A primeira, a proximidade de mudança da lei que passava a faturação eletrónica para a contratação pública obrigatória, e a segunda, o desafio de um grande grupo económico privado que tinha proposto a faturação eletrónica e os tinha motivado para desenvolver essa solução.

 

O entrevistado frisou que a faturação eletrónica nas seguradoras era bastante diferente das restantes atividades económicas, visto que possui uma regulamentação própria, com um enquadramento jurídico, envolvendo uma série de timings e documentos diversos, como por exemplo, os ‘avisos’, que as restantes atividades não possuem. Além dos ‘avisos’ obrigatórios, a empresa decidiu introduzir um conjunto maior de documentos que passaram também a ser processados digitalmente.

 

Questionado sobre a forma como a faturação eletrónica tinha vindo colmatar necessidades na Tranquilidade, João Ribeiro afirmou que a rapidez do processo é o fator de primeiro destaque, ainda que sem grandes alterações relativamente ao tempo médio das cobranças pela especificidade desta atividade. A redução de custos e a pegada ecológica foram também pontos fundamentais na adoção da faturação eletrónica.

 

Mais adiante na conversa, referiu ainda que a faturação eletrónica tinha acabado com o problema do extravio das faturas, algo que acontecia, com alguma regularidade, no passado, com as faturas em papel.

 

Acerca dos principais desafios que a empresa tem encontrado no caminho da implementação eletrónica, o entrevistado referiu que os desafios foram, inicialmente, para a Saphety. Esta desenvolveu, pela primeira vez, um sistema adequado à atividade das seguradoras, num longo processo que durou de 2018 até ao último trimestre de 2020, quando a faturação eletrónica foi implementada em pleno na empresa.

 

Relativamente ao futuro e próximos desafios, João Ribeiro afirmou que, até ao momento, se encontravam numa fase reativa, onde a preocupação tinha sido cumprir a parte legal, algo assegurado a 100%, mas que o próximo desafio seria estimular os clientes privados a adotarem a faturação eletrónica, visto que a esmagadora maioria na vertente de contas a receber ainda não o fez.

 

A Tranquilidade possui atualmente 50% de ‘clientes verdes’, significando que metade dos clientes privados já são totalmente digitais.

 

Conclui-se que a faturação eletrónica é uma realidade da Tranquilidade, a primeira seguradora a implementar este sistema, e que o próximo passo da estratégia digital da empresa será assegurar que um número crescente de clientes adote a faturação eletrónica.

Outros posts

Subscrever

Faturação no Chile – operações de câmbio

Faturação no Chile – operações de câmbio   A Faturação no Chile foi alterada a 1 de dezembro de 2022,  aquando da entrada em vigor da resolução 66 dos Serviços Internos de Receita do Chile.   Este novo regulamento diz respeito às organizações com operações em moeda estrangeira. Bancos, corretoras de valores, casas de câmbio […]

Sérvia: Alterações às Leis de Faturação Eletrónica, Fiscalização e IVA

Sérvia: Alterações às Leis de Faturação Eletrónica, Fiscalização e IVA   A Sérvia está na reta final para implementar a fatura eletrónica obrigatória, que entrou em vigor a 1 de janeiro de 2023. Algumas alterações ainda estão a ser pensadas de modo a permitir a introdução total da faturação eletrónica obrigatória para B2B. Em 12 […]

Polónia: Faturação Eletrónica através do KSeF

Polónia: Faturação Eletrónica através do KSeF   Polónia publica projeto lei sobre faturação eletrónica obrigatória através do KSeF   A 1 de dezembro de 2022, o Ministério das Finanças da Polónia publicou o projeto lei que altera a Lei do IVA relativamente à introdução da fatura eletrónica obrigatória no Sistema Nacional de Faturação Eletrónica (KSeF). […]

Mais posts
Loading

    Links Rápidos