Faturação Eletrónica

Outras Soluções

ATCUD – obrigatoriedade a partir de dia 1 de janeiro 2023

Subscrever
Partilhar

ATCUD – obrigatoriedade a partir de dia 1 de janeiro 2023

 

O que é o ATCUD?

 
O código único de documento da Autoridade Tributária (ATCUD) é um código único no documento de faturação que simplifica o controlo das operações comerciais, visto que permite identificar univocamente cada documento fiscal emitido, independentemente do seu emissor, do tipo de documento e da série utilizada.
 
Assim, nas faturas emitidas e nos documentos fiscalmente relevantes, deve constar um ATCUD e um código de barras bidimensional (código QR). Em documentos com mais do que uma página, o ATCUD deve constar em todas elas e, imediatamente acima do código QR, na página onde este consta. Além disso, a sua legibilidade deve ser garantida.
 
O ATCUD é criado com a emissão do documento fiscal, pelo programa de faturação certificado ou outro meio eletrónico.
 
A composição do ATCUD resulta da concatenação dos seguintes elementos, separados pelo carácter hífen ():

  1. O código de validação atribuído à série pela Autoridade Tributária (AT), que é obtido após a comunicação dessa série à AT, e que é composto por uma cadeia de caracteres, com um comprimento mínimo de 8 caracteres.
  2. O número sequencial do documento dentro dessa série de documentos fiscais e que constitui a sequência de caracteres numéricos. No caso dos programas informáticos de faturação, a série a considerar é a que se encontra imediatamente a seguir à barra oblíqua (/).

O ATCUD, com o formato ATCUD: CódigodeValidação-NúmeroSequencial, deve constar obrigatoriamente em todas as faturas e outros documentos fiscalmente relevantes, emitidos por qualquer dos meios de processamento.

No exemplo abaixo, meramente ilustrativo, de um documento com número PA_2022 2022/00002 o ATCUD representado é 12345678-00002, e é constituído por:

  1. O código de validação da série, devolvido pela AT: 12345678
  2. O número sequencial do documento dentro da série: 00002

 

Registo de séries na Autoridade Tributária

 
No processo de comunicação de séries documentais, cada emissor, ao comunicar, por cada tipo de documento, e meio de processamento, as séries que pretende utilizar posteriormente, obtém um código de validação único que irá integrar o respetivo ATCUD.
 
Os emissores devem comunicar por via eletrónica à AT, antes da sua utilização, a identificação das séries utilizadas na emissão de faturas e outros documentos fiscalmente relevantes, por cada estabelecimento e meio de processamento utilizado, por forma a obter um código único de validação.
 
As duas formas de comunicar as séries à Autoridade Tributária (AT) são:

Para a obtenção do código de validação das séries documentais, devem ser comunicados através do processamento utilizado e como forma de identificação da série, os seguintes elementos, conforme a figura abaixo:

  • Série: O identificador da série do documento que o emissor pretende comunicar à AT.
  • Tipo de série: Tipo da série a comunicar à AT.
  • Classe de Documento: classe de documento a comunicar de forma a possibilitar a seleção do Tipo de Documento.
  • Tipo de Documento: Tipo de documento a que pertence a série a documentar à AT, de acordo com a classe de documento já selecionada.
  • Início da Sequência: Número do primeiro documento a emitir na série.
  • Início Previsto de Utilização: Data prevista para iniciar a emissão de documentos nesta série. A data prevista de utilização da série é apenas indicativa de que a série ainda não está em uso. Na comunicação de séries em utilização, a data prevista de início da utilização da série deve ser a data da comunicação.
  • Meio de Processamento: Meio de processamento a usar para a emissão dos documentos da série.
  • Número de Certificado: Número de certificado atribuído pela AT ao programa informático.

Após a confirmação do registo da série, é registada uma série de numeração associada ao tipo de documento configurado, com o respetivo código de validação necessário para a geração do ATCUD.

 

Legislação

 
A portaria n.º 195/2020, de 13 de agosto regulamenta os requisitos de criação do código de barras bidimensional (código QR) e do código único do documento (ATCUD), a que se refere o n.º 3 do artigo 7.º do Decreto-Lei n.º 28/2019, de 15 de fevereiro. Este último efetua a consolidação e modernização de normas relativas à faturação, ao proceder à regulamentação das obrigações relativas ao processamento de faturas e outros documentos fiscalmente relevantes bem como das obrigações de conservação de livros, registos e respetivos documentos de suporte, que recaem sobre os sujeitos passivos de IVA.
 
A implementação do ATCUD estava inicialmente prevista para janeiro de 2021, mas devido à pandemia, foi adiada a sua execução para janeiro de 2022, pelo Despacho nº 412/2020. Posteriormente, o mesmo motivo fez com que fosse novamente adiada para janeiro de 2023, pelo Despacho nº 351/2021.
 
De facto, a partir de 1 de janeiro de 2023, tornar-se-á obrigatório para um documento fiscal ter um ATCUD associado, tanto para o sector público como para o sector privado. 
 
Os documentos podem incluir o ATCUD antes de 1 de janeiro de 2023. Podem ser comunicadas as séries em utilização em 2022 e obtidos os respetivos códigos de validação, de modo a passar a incluir o respetivo ATCUD nos documentos, bem como, comunicar em 2022 as séries que pretendem utilizar em 2023, por forma aos sistemas estarem preparados para a emissão de documentos no dia 1 de janeiro de 2023.

 

Ligações úteis

 
Pode encontrar respostas, nomeadamente dúvidas sobre o ATCUD e a comunicação de séries à AT, nas seguintes ligações:

 

O que vai mudar na faturação com o ATCUD 

 
A partir de Janeiro de 2023 será obrigatória a inclusão do código único de documento nas faturas (ATCUD), contribuindo para a simplificação de todo o processo de comunicação das faturas à Autoridade Tributária.
 
Para quem emite os documentos através do portal das finanças, a comunicação das séries documentais é automática, assim como a inclusão do ATCUD nos documentos.
 
Para quem processa a faturação através de programas de faturação certificados, como o da Sovos Saphety, o processo seguirá através de integração com a AT.

 

Outros posts

Subscrever

Faturação no Chile – operações de câmbio

Faturação no Chile – operações de câmbio   A Faturação no Chile foi alterada a 1 de dezembro de 2022,  aquando da entrada em vigor da resolução 66 dos Serviços Internos de Receita do Chile.   Este novo regulamento diz respeito às organizações com operações em moeda estrangeira. Bancos, corretoras de valores, casas de câmbio […]

Sérvia: Alterações às Leis de Faturação Eletrónica, Fiscalização e IVA

Sérvia: Alterações às Leis de Faturação Eletrónica, Fiscalização e IVA   A Sérvia está na reta final para implementar a fatura eletrónica obrigatória, que entrou em vigor a 1 de janeiro de 2023. Algumas alterações ainda estão a ser pensadas de modo a permitir a introdução total da faturação eletrónica obrigatória para B2B. Em 12 […]

Polónia: Faturação Eletrónica através do KSeF

Polónia: Faturação Eletrónica através do KSeF   Polónia publica projeto lei sobre faturação eletrónica obrigatória através do KSeF   A 1 de dezembro de 2022, o Ministério das Finanças da Polónia publicou o projeto lei que altera a Lei do IVA relativamente à introdução da fatura eletrónica obrigatória no Sistema Nacional de Faturação Eletrónica (KSeF). […]

Mais posts
Loading

    Links Rápidos