Faturação Eletrónica

Outras Soluções

Opinião: Vou implementar faturação eletrónica, que abordagem devo seguir?

Subscrever
Partilhar

O sucesso do projeto de faturação eletrónica depende muito da sua implementação e das ações coordenadas com o operador tecnológico de fatura eletrónica escolhido, avisa Nuno Gonçalves.

 

Artigo originalmente publicado no SAPO Tek, a 3 de maio de 2022.

 

Por Nuno Gonçalves (*)

 

A evolução tecnológica permite-nos atualmente grandes ganhos de eficiência no tratamento e processamento das faturas, nomeadamente através da realidade da fatura eletrónica.

 

Se as vantagens para emissores e clientes são já sobejamente conhecidas, a realidade das empresas que usam já esta tecnologia fica muitas vezes aquém do potencial esperado seja no contexto da emissão, seja na receção de faturas.

 

O sucesso do projeto de faturação eletrónica depende muito da sua implementação e das ações coordenadas com o operador tecnológico de fatura eletrónica escolhido.

 

O operador de fatura eletrónica tem aqui um papel importante a desempenhar.

 

Se por um lado a comunicação com a comunidade de clientes/fornecedores é muito importante, não menos, é a capacidade em transferir as faturas entre parceiros sem que tal envolva desenvolvimento adicional para as partes. Este esforço de adaptação do cliente ou do fornecedor é o principal travão ao sucesso de um projeto de fatura eletrónica.

 

E como podemos melhorar este aspeto? Alguns pontos a ter em conta:

 

1 – O que importa é o conteúdo!

A capacidade de transformar o formato do emissor no formato do cliente de forma automática torna-se um fator chave para a rápida adesão dos parceiros à fatura eletrónica, pois, num modelo em que se garante a independência tecnológica entre as partes, o esforço de cada empresa em se adaptar a cada parceiro é nulo ou substancialmente reduzido.

 

2 – EDI – Modelo tradicional.

No modelo tradicional do chamado EDI (troca eletrónica de documentos), uma das partes teria que se preparar para receber as faturas de acordo com a especificação do emissor ou, o emissor teria que se adaptar ao formato do seu cliente. Se uma empresa tiver 100 parceiros que tenham que implementar alterações no seu projeto de fatura eletrónica, o tempo e o esforço replicado por estas torna-se um grande obstáculo.

 

3 – Invoice Networking – O poder da transformação de dados.

Ora, a evolução tecnológica, permite-nos atualmente focar no conteúdo da informação contida nas faturas para de forma automática convertermos o formato do emissor no formato do cliente.

Como: trabalhando a informação da fatura em todos os seus aspetos: dados de cabeçalho, linhas, resumo, leitura de informação específica por segmento de mercado, etc. Uma vez validada e identificada toda a informação, procede-se à transformação para o formato do cliente, permitindo 100% de automação no tratamento da fatura.

Sem mais complicações e sem custos adicionais para as partes!

E com que garantias? Sempre recorrendo a um controlo de qualidade das faturas que seja o garante que só são integrados os documentos que cumpram 100% com os requisitos legais e de conformidade de informação.

 

4 – E como o projeto beneficia desta abordagem?

Muito simples. Ao ser terminada a implementação do projeto, a empresa sabe que tem imediatamente acesso a um conjunto de clientes ou fornecedores que ficam automaticamente habilitados ao envio ou receção de faturas, sem esforço adicional.

 

5 – Objetivo: Massificação.

Nesta abordagem tecnológica, uma estratégia de comunicação com os clientes ou fornecedores para adesão à fatura eletrónica deve ser eficaz na mensagem, sempre numa lógica de sinergia com o parceiro, garantido-se que:

– no caso dos emissores, se já emitem faturas para outros clientes (ex. administração pública), o mesmo deverá estar habilitado a enviar faturas legais e compatíveis com o nosso projeto de FE.

– no caso dos clientes, se optaram por uma tecnologia de invoice networking, então o passo seguinte é ativar o envio das faturas e pronto.

 

Para concluir, a adesão de clientes e fornecedores ao projeto de fatura eletrónica será incomparavelmente mais fácil se for seguida uma lógica de implementação moderna e que torna independente o formato e a tecnologia do emissor e do recetor da fatura.

 

(*) Head of Community Management da Saphety

 

Artigo originalmente publicado no SAPO Tek, a 3 de maio de 2022.

 

 

 

Outros posts

Subscrever

Como se preparar para uma auditoria ao IVA

Como se preparar para uma auditoria ao IVA   Cada país e jurisdição têm leis e requisitos diferentes relacionados com o processo de auditoria do IVA. As autoridades tributárias podem realizar auditorias físicas ou por correspondência, sendo este último muitas vezes o caso  em que as sedes das empresas não é no país em questão. […]

Filipinas avança para relatórios obrigatórios de CTC

Filipinas avança para relatórios obrigatórios de CTC   As Filipinas continuam em constante avanço na implementação de um sistema de controlos de transações contínuas (CTC), que consiste em relatórios quase em tempo real de faturas e recibos emitidos eletronicamente. No dia 4 de abril, iniciaram-se os testes no Sistema de Faturação Eletrónica (EIS), plataforma do […]

Tendências de auditorias do IVA – foco da UE no E-commerce

Tendências de auditorias do IVA – foco da UE no E-commerce   Num relatório recente da Comissão Europeia (CE), foram publicadas diretrizes específicas não apenas sobre as melhores práticas, mas também sobre como os Estados-Membros da UE podem harmonizar o foco dos seus projetos de auditoria do IVA. Vimos uma mudança significativa do escrutínio de […]

Mais posts
Loading

    Links Rápidos